bullshit

Ask me anythingNext pageArchive

"Cê sabe que não gosto de fones de ouvido por sua causa? Que um dia desses você botou seu cd e me chamou pra ouvir a tua música favorita com os braços enrolados em mim. Era uma confusão danada de sentimentos que dá na gente quando alguma coisa nova, nunca sentida antes, nunca apertada como tava o meu peito. Me sentia desconfortável e nem conseguia prestar atenção na letra. Suava frio. Abraço teu tinha um que de intimidade que eu não tive nem quando tava jogado numa cama sem lençol, do lado de um nome que não me lembro. Bem, chega mais que o meu peito é teu pra não passar mais frio. Queria ter passado por isso só na primeira vez, mas é todo dia. Como se você mexesse com alguma coisa dentro de mim, como se você me tirasse a roupa com os olhos e me injetasse adrenalina nas veias. Fica sabendo que eu escrevi nas minhas paredes as coisas tortas que aprendi contigo e prometi, sempre prometo, que um dia eu toco a tua música favorita na gaita como uma forma de declaração. Sabe que eu nunca gostei de filmes? Falava que sim, que adoro esse filme, que tava louca pra assistir só para você ficar junto a mim. Não me falta lugar e não importa estação, não importa frio ou fogo, não me importa nada. E mesmo que eu não goste do teu perfume pra dia e prefira o teu cheio próprio de manhã, eu destaquei você nas coisas todas. No meu diário, no meu armário, nos contos e causas que eu crio e desfaço e nem questão de disfarçar eu faço. Sei do teu mundo e me afundo nele cada vez mais tentando chegar ao centro de você. Sei e não sei de tanta coisa, mas você não sabe disso. Até hoje eu não sei qual é a tua música favorita por conta dos calafrios, só me lembro da tua respiração, da minha palpitação, do nervosismo e das coisas que eu nunca esperei sentir."

- noite-no-cais

"Esse ar de tristeza é sua identidade. A chave da porta da sua alma. É como se uma bolha invisível tomasse conta e dissesse “Você não vai ficar bem” É essa a realidade das noites com seu travesseiro. Descansa a cabeça, fuma um cigarro. Bomba relógio. Sou eu explodindo pro mundo ou o mundo que não cabe em mim? Ela se pergunta sobre isso todos os dias. Sobre quando essa agonia vai ter fim e alguma coisa vai indicar que a caminhada acabou. E sempre acaba chegando a conclusão de que o importante é a caminhada e que essa sensação não vai passar nunca. Essa melancolia estende a mão e a convida para um café. O espelho diz uma coisa. As pessoas na rua dizem outra. Essa força que parece fraca e sufoca o sorriso. Não sabe em que rua se perdeu. Em que rua essa jovem de cabelos ao vento entregou sua rebeldia ao diabo e se fez sofredor. Ainda apostam que ele perdeu algo no caminho e se desesperou. Ela é desses mulheres completamente insatisfeitas com e com a vida que pode ter. Mas tem sede de viver e de abraçar o mundo. E é justamente isso que faz doer. Mês que vem vai ser melhor. Talvez ela acorde e alguma revolução se faça no seu mundo. Talvez as cortinas acordem pintadas de outra cor e brote um motivo qualquer que a faça feliz. Talvez ela pare de questionar e comece a se responder. Talvez ela se explique e se resolva. Talvez ela deixe toda essa besteira pra lá. A única certeza é de que alguma coisa um dia vai acontecer para mudar tudo isso. A única certeza. Ou a única esperança."

- noite-no-cais

"Me deixe entrar, deixa eu sentar na beira da sua cama e se acordar de surpresa. Deixa eu mudar suas coisas de lugar para depois você ficar brava e pedir desculpa. Viver sozinho não é essa incerteza toda, esses nervosismo a flor da pele. Deixa eu escolher o filme, o horário a sessão, e ficar nervosa pelo seu atraso. Ainda tento negar aos outros que você não me tira um sorriso, por que pra você essa desculpa não cola mais. Deixa eu entrar e esquece de quem você já foi. Deixa eu te mostrar que ninguém no mundo é igual, e que todos que foram embora não sabem o que estão perdendo. Deixa esse seu receio de lado e me encara nos olhos, deixa eu entrar e levar todo esse vazio que te atordoa."

- noite-no-cais

"Se eu não tivesse você talvez eu seria mais insegura. Teria planos medíocres. Se eu não tivesse você para me embaraçar na cama até achar alguma forma de dormi nunca saberia o quanto é bom ter alguém nas noites frias. Se você não tivesse esbarrado, me olhado, insistido em não parecer invisível eu nunca, nunca, nem mesmo hoje em dia, acreditaria que tem coisas erradas que podem dar certo, como nós. Se eu não tivesse você, eu ia ter aquele vazio que eu tinha faz tanto tempo e tanta chuva e tanta gente que passava e esbarrava e nunca ficava como você ficou. Você ficou e ficou mais um pouco, fica mais um pouco, vai ficando e não se acomoda, viu? Me incomoda, me acorda quando eu dormir no seu braço, me machuca com a saudade que nem dura uns três dias direito e me diz que a noite só foi boa porque eu desejei que fosse, porque eu deitei com você do outro lado da linha. Me diz que não importa quão brega idiota apaixonada desesperada eu possa parecer, que importa é que dá pra ver como eu fico feliz e me faço feliz por ter você. Diz que me odeia, mas diz com aquela forma meio irritada pra si mesma porque você sabe que é uma daquelas mentiras mal contadas, daquelas que faria o seu nariz crescer. Diz que você vai embora só pra me deixar assustada, mas vai ficar, por hoje amanhã e depois de amanhã."

- noite-no-cais

(via allaxg)